OLHANDO PELA JANELA

A chuva cai lá fora
Pela janela escorre
Molhando a rua em frente
Como se minha alma chorasse
A dor contida dentro de mim
E escorresse para fora meus sentimentos
Sempre vistos por trás do meu sorriso...

À medida que cai
Correndo calçada afora
Pingando aqui e acolá
Se misturando a minha solidão
Descrevendo do meu íntimo
Um corredor molhado
De todas as lágrimas que chorei
Pondo do avesso   
Um lugar reservado
Onde habitei em secreto
Meu lúgubre
Onde outrora refugiei minha dor
De tantas algures do passado...

Em alguma parte, me guardei
Entre páginas abertas
Deixei escapar folhas em branco
Que nunca escrevi
Por medo de machucar
O mesmo lugar outra vez...

E repetir na chuva lá fora
Molhando as paredes úmidas de outrora
A mesma sina de infortúnios
Dantes marcada em meu destino...

Da tempestade eu me abrigo
Olhando pela janela...

Regilene Rodrigues Neves
Em 08/04/2019







O CAMINHO DO BEM

Por onde passa o amor
Construímos uma ponte até o coração
Abrimos caminhos para o bem
Estendemos ao próximo
O mesmo que queremos para nós...

Troque de lugar,
Troque de dor, troque de amor,
É preciso para nos sentirmos humanos.

A travessia nem sempre é tranquila
Há tempestades, aflições, ilusões...
Dias nublamos são carregados de ensinamentos,
Para enxergarmos a luz.

A escuridão não é o fim, mas a travessia
Entre a nossa zona de conforto
E as nossas lutas de aprendizagem,
Para melhorarmos o encontro com o nosso bem.

Não tenha medo
Não apavore os dias
Sinta o tempo agir a seu favor
Sem essa metamorfose
Não transformamos o que de ruim
Plantamos para nós mesmos.

Somos seres humanos
Numa humanidade desumana,
Pela falta de alimentarmos o coração
Um terreno árido que precisa
Regar todos os dias,
Passar por estações
Sentir invernos de ingratidões
Até estarmos prontos para a colheita.

Se não plantarmos sementes de gratidão
Não haverá frutos para colhermos,
Para que haja fartura de amor
É preciso molhar a terra onde pisamos.

Molhe o outro de lágrimas,
Chore sua dor, compartilhe,
Para que o outro o abrace
Dispa-se do orgulho
E do ego que te aprisiona
Nesse lugar desumano.

Troque de lugar
Inverta as aparências
Mostre seu coração.

Quanto mal nos causamos
E sequer damos conta
Muitas vezes, até mais,
Que para aquele que apontamos.

Siga o caminho do bem
Não olhe para quem aponta...

Regilene Rodrigues Neves
Em 08/04/2019











AMOR AO PRÓXIMO

Não é fácil olhar dentro de você
E lutar contras seus medos e frustrações.
Todos os dias eles acordam
Tentando nos vencer de alguma forma.

Existe um inimigo que nos quer para ele
O mal luta para vencer o bem,
O bem é Deus
É enxergar através do universo
O amor que ele tem por nós
Enviando anjos para lutarem  
Contra os nossos inimigos
Todos os dias,
Mas precisamos de nós
De sentirmos gratidão
Nas mínimas coisas.

É fácil, não, não é, para ninguém
Mas, também, não somos únicos
O inimigo quer todos nós para ele.

Enchermos de palavras é fácil,
Mas termos atitude de enfrentar
Nossos monstros interiores
De gritarmos, não,
Você não vai me vencer
Quando lá fora
Tudo conspira para te derrubar.

Somos um desafio para nós mesmos,
Mas somos guerreiros
Matamos um leão por dia
Infelizmente tem dias
Que somos abatidos
E precisamos do outro
De compaixão e amor
Sozinhos somos presas fáceis
Para o nosso inimigo
E temos dificuldade de crer
Naquilo que não vemos

Que existe Deus sobre a gente
E que ele nos ama acima de nós.

Lá fora existe um amanhecer
Cheio de esperança
Que Ele derrama sobre nós...

Onde está a nossa fé?
Crer além das nossas dores
Suportar os desafios
Enxergando que existe alguém
Que precisa mais que nós
Que precisamos estender a mão
Estamos agonizando dentro do egoísmo
Simplesmente viramos uns contra os outros
Agredimos com palavras, murros e socos
Enquanto procuramos amor desesperadamente.

Somos tão contraditórios e vazios
A alma virou um terreno
Ressequido de afeto
Viramos seres virtuais
Intocáveis na pele
No contato das mãos
Que acaricia o outro.

Sofremos de interrogações
Que não sabemos responder
Porque voltamos para dentro
Do nosso ego, egoístas
Primeiro eu, o outro que se dane.

E seguimos assim, confusos e vazios
Longe da fraternidade
De olhar no olho do outro
E perceber que ele precisa de compaixão.

Somos meros transeuntes
Passando um pelos outros
Sem um bom dia
Que nos aconchegue entre almas
Enquanto isso, o inimigo se instala
Te pega nas mínimas coisas
Que ele tem para usar contra você
E usa a favor dele
E assim, vai esvaziando sua alma
Nos tornando frios e desumanos
Uns para com os outros...

E o meu problema?
Não fui eu que criei?
Através da minha ingratidão?
Procure a resposta na sua conduta
Não seja um muro de lamentações
Construído a seu favor
Não sinta pena de si mesma
Levante-se da sua zona de conforto
Se alimente Daquele que lhe deu a vida
Que faz justiça sobre os injustos
Plante a fé na sua alma
Na sua casa, limpe as ervas daninhas
Que crescem a seu redor...

Sem amor, não construímos pontes
E nem atravessamos caminhos áridos
É preciso filtrar e deixar escorrer as lágrimas
Molhar nossos sentimentos humanos
Tocar no coração do outro
Como queremos ser tocados...

Se a atitude,
O gesto e a palavra
Não forem AMOR
Não existe refúgio
Nem merecimento...

Regilene Rodrigues Neves
Em 31/03/2019






O VENTO SOPRA A SAUDADE

O vento sopra a saudade
A procura de quem cedo partiu
Lembranças se misturam no tempo
Sorrisos sem alegria
Braços sem abraços
A alma vazia
Sem despedida
Num adeus para sempre...

O tempo ainda nublado
Encharcado de lágrimas
Chora o pesar da saudade...

Enquanto a tristeza invade
O coração vazio
Sentindo falta de sorrisos
Daquela alegria
Compartilhada no dia a dia
Na sua presença...

Perguntas sem resposta
Deixam amostra o silêncio continuo
Da casa vazia
Apenas o movimento das lembranças
Rodopiam sem norte
A própria sorte segue o dia
Sem vontade de viver...

Lá fora o bramido da solidão
O caminho solitário
Percorrido a procura dos seus passos
Marcando a passagem
Feita em tantas vezes
Numa rotina feliz da sua chegada
Se quer sabia era a última vez...

Espalhadas pela casa
Suas coisas veladas
Sentindo os movimentos do seu corpo
Seu andar sorrateiro, seu cheiro
Impregnado por todo lugar
Ainda sem saber
Que você não irá mais voltar...

A noite revirada do avesso
A procura da sua voz
E apenas o silêncio em volta
Ouvem as notas da sua canção
A espera de uma volta
Que partiu para sempre
Meu coração...

Sem despedida
A saudade aguerrida
Aflora dentro de mim
Ainda apegada
As suas lembranças
Desde que você partiu...

Regilene Rodrigues Neves
Em 23/03/2019




A AMIZADE FLORESCE

Sim. A amizade floresce,
Floresce entre estações
Carregadas de amor
Dentro do coração
Regando-o nos dias nublados
Quando solitária a alma
Sente falta daquele
Que ele escolheu
Antes da tempestade...

Você é aquela amiga
Que o meu coração escolheu
Ao longo do caminho...

Mesmo que na estrada da vida
Tivesse que seguir em frente,
Posto que, a vida
Segue sua trajetória
De várias estações...

Mas primaveras
Foram cultivadas entre nós
O carinho que plantamos
Na velha estação
Se renova, e o tempo
Traz de volta
Aquele que dentro
Nunca partiu...

Porque foram plantadas sementes
De carinho, e escolhemos
Colher o amor,
Para que nossa amizade
Continuasse através do tempo...

O destino
Fez o nosso reencontro
O tempo que esteve entre nós
Nunca passou, amigos verdadeiros
Nos cativam para sempre,
Para que a poesia da amizade
Escreva sempre sobre a saudade
Daquele que marcou
Dentro de nós sua amizade...

Regilene Rodrigues Neves
Em 22/03/2019





DESPEDIDA DE UM ENTE QUERIDO

O silêncio triste da saudade
Percorre um caminho de lembranças
O corteja faz o som da despedida...

A lápide fria sepulta o ente querido
Guarda suas memórias
Deixa escrito para traz sua história
Legado de quem partiu de repente...

Lágrimas se misturam
Jaz no firmamento a sua estrela
Lembrando de ti com carinho.
Sua passagem recolhe
Teus últimos desejos
Guarda teus sorrisos
Ainda precoce.

No front suas batalhas
Lutas diárias deixadas
Sobre o campo dos teus sonhos
O guerreiro combatido
Finda seu legado...

Parte para os braços do Criador
Sua paz jaz no infinito...

Um rastro de flores
Cultivam o perfume dos lírios
Na sua volta para casa
Enquanto os céus o recebem
Entre sinfonia de anjos...

Aqui guardaremos lembranças tuas
Compartilhada entre amigos
Bebidas em noites farta de sorrisos
Porque assim, fostes, nosso melhor amigo
Aquele que junto levantamos copos de alegria!

Vá companheiro, mas saiba,
Que para trás deixaste
Todo amor que cultivaste entre nós.
Celebraremos o teu dia
Numa poesia em teu nome
Buscaremos tuas lembranças
E sempre que a saudade chamar teu nome
Tua estrela irá brilhar
E nos braços de Deus
Saberemos que repousa tua paz
E que perto está a tua ressurreição
Livre das mazelas do mundo que o ceifara...

Que Deus conforte
Toda esta saudade que sentimos
Que ampare a dor da família e dos amigos.

Regilene Rodrigues Neves
Em 21/03/2019






LÁ FORA

Às vezes me pego distraída
Olhando pela janela da vida...

Lá fora o tempo
Corre na velocidade da luz
Os sonhos florescem
Acordados de esperança...

A fé plantada na humanidade
Regada todos os dias
Alivia as dores diárias
Colhidas sobre o front...

Batalhas ganhas e perdidas
Disputam o mesmo espaço
Sobreviventes se agarram as suas lutas
Vidas entre idas e vindas
Disputam um lugar ao sol
Onde a luz entra para todos...

Imperceptíveis olhares
Passam uns pelos outros
Carentes de enxergar o outro.
Valentes guerreiros,
Mas pobres de amor
Perdido o afeto em seu exaspero.

Pela janela aberta
Avisto o homem
Em sua euforia
Surdo a poesia
Que aflora no jardim
Exalando a beleza da manhã
Que escorre seu orvalho de lágrimas
Sobre o jazigo em frente a aurora...

Lá fora a solidão do homem
Trafega entre ruas solitárias
O céu vestido de cinza
Procura uma fresta de luz
Para respirar a poesia a seu redor
Na expectativa de uma sombra de afeto
Repartida numa poção de fé
Na única certeza
Que Deus habita o firmamento
E lá fora Ele é a luz
Sorrateira abrigando
Aquele que a procura...

Regilene Rodrigues Neves
Em 21/02/2019