NO RITMO VORAZ DA VIDA

No ritmo voraz da vida
Eu ouço a poesia
No canto do pássaro
Eu sinto o perfume das flores
Exalando alegria nos jardins
Enquanto o sol cheio de luz
Ilumina todo o universo
Para que o poeta em versos
Escreva sua ode no firmamento
No seu momento de ilusão...

E perto de Deus
Numa prece agradeça
Tamanha grandeza na sua criação!

O amor estendido sobre todas as coisas,
Para que mesmo no ritmo voraz da vida
Não nos afastemos das coisas simples e belas
Que nos faz suportar as mazelas
Do nosso corpo físico,
Posto que, a alma é tão bela
A sentir outra atmosfera
Soprar em sua direção...

E suportar o ritmo voraz da vida
Que lá fora transeuntes correm
Para abraçar o mundo
Num abraço vazio
Das coisas simples e belas!

Regilene Rodrigues Neves – Em 22/02/2018




Sim. Minha beleza será mantida
E meu sorriso será guardado na saudade
Quando minhas lembranças
Buscarem meu passado...

Regilene Rodrigues Neves




Coloquei a poesia no papel
E guardei no mundo,
Para quem encontrar possa ler
O que trago na alma...

Regilene Rodrigues Neves




AMO

Amo
Teu corpo cheio de fantasias
A poesia solta sobre os teus lábios
Amostra na tua boca.

O beijo colocado
Apregoando o prazer infinito
No grito da tua voz
Pronunciando amor...

Amo
Toda ode à revelia
Despindo tua alma
Quando teu desejo aflora
E rompe os segredos do teu corpo...

Amo mais,
Porque amo descrever-te
Numa aventura de amor
Ao sabor da poesia em teu corpo
Toda nua escritas na minha fantasia...

Em fim, amo.

Regilene Rodrigues Neves - Em 18/02/2018




VESTIDA DE ASAS

A sombra da alma fez-se poesia
Enquanto partia todos os pássaros
Da minha liberdade
Fui morar na saudade
Perto das minhas lembranças
Guardadas numa fotografia...

Abriguei meu sorriso
Nas minhas asas
Deixei pousar nos meus lábios
Minha alegria, euforia
De um poeta amador
A sorrir a voar
A procura de amor...

Nesse voo etéreo
Sublime e puro
Quase celeste, me refugiei
Permiti a passagem da luz
Esbatendo minhas asas
A sombra do meu íntimo...

Sou aquela que passarinha
Livre, vestida de asas
Misturada de galhos e asas...

Enquanto eu sorria
Com fartura de alegria
Deixei escapar a poesia
Livre, além-fotografia...

Regilene Rodrigues Neves – Em 17/02/2018






POR MIM, EU PARAVA O TEMPO

Por mim, eu parava o tempo
Abria minhas asas sem destino
Saia desse desalinho
Seria poesia noutro lugar
Onde pudesse voar
Sem olhar para trás...

Lá fora pousasse
Em alguma estrela ao acaso
Descansasse minhas aflições
De um poema triste
Do lado de fora...

Partisse para um sonho feliz
De versos e rimas
Onde a distância a tristeza
Não tocasse minha alma
E eu soubesse que era feliz
Num voo de alegria
Onde à revelia a poesia
Me marcasse de felicidade...

Que essa realidade que sinto
Fosse engano da minha alma
A chorar minha dor...

Por mim, eu parava o tempo
Pousava dentro de um abraço
Num carinho de almas tocadas entre si
Querendo apenas uma troca de amor
Esquecido de nós nos desatinos da vida
Quando o fardo fica pesado
Sobre nossas asas...

Por mim, eu parava o tempo
E lá onde a liberdade alcança
Pousasse no horizonte
Perto de Deus
Forte, com a cabeça no lugar
Livre e não mais triste
Porque sofro, como qualquer um...

Por mim eu parava o tempo
Num dia qualquer, que não fosse hoje
Forte, para continuar
Livre, desse lugar
Deixando minhas asas me levar...

Regilene Rodrigues Neves – Em 09/02/2018





MEU MENINO
(Para Lucas Rodrigues de Oliveira)

No álbum da vida
Você coloriu meu mundo de azul...

Me fez saber quando é sim
E quando é não,
Porque ser mãe é ensinar os valores
De tudo o que o cerca.

Certamente as mães se amam nos filhos
E esse amor é maior que tudo.
E a cada passo solitário que você der
Eu aprendo que amar
Não é incentivar a dependência,
Mas a crescer com seus próprios passos...

Eu me pergunto
O quê é infinito?
Se não o amor de mãe que sinto.
Mais que infinito, minto
É o amor de Deus
Que me fez conceber você
Meu menino!

Por Ele você me foi enviado
Para uma linda missão
Numa função nobre a cumprir
Os seus mandamentos
Encontrar-se hoje no caminho Dele...

Filho, quando sentir em seu coração
Uma suave brisa
E ver refletido nos seus olhos
O brilho das estrelas
E a beleza do horizonte
Não saberás, mas sentirás o amor
No espírito santo do seu Criador
E Nele encontrarás a sua salvação...

Eu agradeço numa prece
E com a benção de Deus
Eu lhe abençoou
E oferto esse poema,
Para que não esqueça
Esse encontro maravilhoso
Que você teve com Ele...

De sua mãe Regilene Rodrigues Neves