SONHOS DE ÍCARO
por Regilene Rodrigues Neves


Em frente à aurora
Contemplo a janela aberta do destino...
Cobiço a lua dormindo no meio da noite
Solitária em sua sombra noturna
Velada em poesia de estrelas derredor
Feito vaga-lumes luzindo
Sobre os ombros das montanhas
Iluminando sonhos...

O amor abraçado de felicidade
Asas imaginárias
Em sonhos de Ícaro
Voejando venturas ao léu...

A cortina do céu fechada
O manto da noite cobrindo fantasias
Suspiros soltos enfeitiçados de liberdade...

A brisa trazendo música
Dos ventos vindos do longínquo...
Quimeras deitadas em berço esplendido
Ouvindo um som plácido de ternura
Tocando a alma de notas serenas
Em composição poética
De um mero poeta apaixonado...

Versos absortos na poesia
De uma linda epopéia
Contemplada da alma...

Magia de lua cheia
Desenhando ao fundo
Retratos de amores
Numa pintura íntima
Retocada pelo coração...

Traços abstratos
Querendo compor a face do amor
Ainda imaginários sonhos
Esparramados nas órbitas dos planetas...

Da minha janela sonhos indivisíveis
Escondem a poesia do amor
Poema lírico em seu eufemismo sonhador...

Apenas meus silêncios ouvindo a noite
Da insônia do meu quarto vazio
Escrevendo um poema,
Para uma linda noite de sonhos...


Em 16 de julho de 2008