AMADA PELA POESIA DO AMOR DEVOTO
por Regilene Rodrigues Neves

O vinho sangrando na pele
Sorvendo desejos
Bebidos com paixão...
Meu corpo amado
Por uma poesia
Que derrama da minha alma
Em meu corpo saciando-te dentro de mim!

A estrofe acariciando minha solidão...

Os versos em teu louvor
São rascunhos soltos de lembranças
Guardadas num frasco de saudades...

O cálice do prazer
É o amor que te devoto
Em sacrilégio pecado
Da minha carne exposta ao sexo
Fazendo aventuras de amor no meu corpo...

Suspiro meus segredos
Abraço meus mistérios
Para te seduzir...

Com a minha voraz paixão
Te releio várias vezes...

Me resta a poesia
Ao som do coração
Dilatada em volátil sonho...

Beijo o lábio do amor
Para despir minhas fantasias
Rasgo minha intimidade na pele
Para sentir o suor emergir dos nossos poros
Derramando volúpia entre os lençóis brancos de cetim
Cubro o poema por - amor que dilacera do meu peito
Enquanto tua boca suga meu seio
E tua língua deixa teu hálito quente
Em marcas profanas de carícia
Da tua poesia... Retrato transparente da saudade
Escorre nas paredes do meu íntimo
Meu coração molhado entrelaçado no teu
Inflamando meus desejos de ti...

Meu homem
Descrito em verso a reverso do destino
Cativa meus sentimentos prisioneiros de um poema
Que respondem uma incógnita de amor...

Lavando minha alma
Banhando meu corpo
Eu te devoro feito amante
Meu amor!... Apenas esta poesia
Ainda sem titulo
Sabe de nós...

Sente quando penetras
Minha imaginação
E rouba este poema de mim...

Confessa de paixão
A minha emoção entregue nas entrelinhas
Faz amor em teu nome
E um poema extravasa
Teu gozo cálido dentro de mim!...

Em 02 de janeiro de 2009