UM SONHO INTEIRO DE AMOR
De Regilene Rodrigues Neves

Sentei na calçada da alma
Para ouvir sentimentos de amor
Poesias espalhadas ali dentro
De um coração vazio de alguém
Enchendo-me de sentimentalidades
Sensibilidades dilatadas do frasco

A pele tão frágil
Sentia a carência
Derramando dos poros
O chão molhado
Refletia um olhar distante
Numa ausência íntima...

Ali solitários devaneios
Passeavam pela saudade
O passado derruído na despedida
Calada por morte...

O amor sem resposta de outrem
Parece querer compartilhar a minha dor
Que para sempre parece ter levado de mim o amor...

Sem abraço sem colo
Deito na calçada fria
Somente minha alma ouvia minha solidão
Derramando versos do coração...

Adormeci ali sobre um sonho
Alguém sussurrava carinho ao meu ouvido
Pegando-me no colo dizia vem meu amor
Vou-te por na cama e te cobrir de beijos
Para aquecer teu corpo
Adormeça vou velar teu sono
Enquanto sonhas comigo...

Por horas ouvi uma poesia de amor declamada
Tocada feito música romântica no meu coração
Que escutava do infinito um som de ilusão...

Quimeras numa rota sem destino
Encontrava fantasias pelo caminho...

Rolamos num tapete mágico de sonhos
Meu corpo dentro do teu fundindo o próprio êxtase
Que de uma dimensão além me aquecia de odes
Tive o exaspero de uma lágrima
Tão verdadeira caia do meu sonho
Acordei ali molhada de sentimentos...

Olhei derredor da noite
O céu parecia que piscava para mim
Cada estrela tecia sua luz adjacente ao luar
Que descia do firmamento sobre a terra
A sua brisa me abraçou ali
Num lânguido abraço solitário...

Peguei as alíneas da minha alma
E caminhei deixando para trás
O sonho que ali na calçada da alma sonhei
Não sei até quando deles viverei...

Em 30 de abril de 2009


3 comentários: