CODINOME POESIA
De Regilene Rodrigues Neves

Com os mestres aprendo o que é poesia
E com alma escrevo os sentimentos
De minha frágil sensibilidade
Nada sou se não esse aprendiz sem técnicas
Que se aventura a escrever sentimentalidades

Apenas acompanho esta alma que insiste
A dominar meus pensamentos e emoções
Numa viagem espiritual
Que muitas vezes nunca vivi,
Mas estão ali presentes dentro de mim
Como uma imagem que vejo e sinto...

Sem normas e regras
Dei nome de poesia e forma de poema
A esse amontoado de sentimentos
Que capto e guardo pela vida
De forma única e minha.

Tenho medo de ousar
E me chamar de poeta
Meus conhecimentos
Não alcançam tal liberdade...

Sou apenas uma aventureira da alma
Minha ortografia se perde no meio da gramática
E me confunde nas suas colocações...

Mas estrofes vão ganhando formas
Nas minhas fábulas reais e irreais
E epopéias vão exalando
Toda essência da minha pele!...

São sentimentos poéticos
Esgotados do meu frasco.
Um coração cheio de vida
Pulsa dentro de mim
Sonha e tem esperança!
Sem nenhuma pretensão
Escrevo porque me faz bem
Sem querer me envaidecer para outrem
Apenas partilho minha alma
Uma ave que voa e sobrevoa mundos
E dos estímulos escrevo o que dou codinome Poesia!...

Em 18 de março de 2009

2 comentários: